NAVEGANDO NA ESTRANHEZA DOS DIAS

pela liberdade e pela verdade


NOVA NOTA INFORMATIVA/FORMATIVA- 2009.08.01
parece-me haver muitas pessoas que não entendem a lógica de funcionamento de um blog.
…………
Se o blog se abre a terceiros funciona como um jornal (electrónico).
Responsável pelo que diz é a pessoa que assina o artigo/texto. O director do jornal pode discordar,
 na totalidade ou parcialmente, do artigo, mas, mesmo assim não lhe cabe coartar  a liberdade de expressão.
Não digo, nem pretendo dizer qual a minha posição a respeito da carta aberta de Adolfo Neves.
 Isso disse-lhe  ele.
………….
Coloquei este excerto para que houvesse diálogo e clarificação coisa que não há e cada vez está mais confuso.

Lamentável exercício de cidadania este, assim praticado.
…………. 

A respeito dos comentários estes funcionam como as cartas enviadas aos jornais e é opção do director do mesmo
publicá-las ou não. No meu caso, proprietária do blog só eliminarei os comentários ofensivos. 
 Ou caso este ping-pong continue num marasmo pantanoso, patinhando no mesmo sítio, um dia canso-me.
Estamos claros?
NOTA DA PROPRIETÁRIA DO BLOG, em 2009.07.29 –
O título que dei a esta página é claro.
Em nome da “liberdade” e da “verdade” todos os comentários são aceites e bem-vindos, pois há sempre, pelo menos, dois lados, duas formas de ver qualquer assunto. Só espero que em nome da liberdade de expressão (neste caso)  e da verdade, os comentários sejam objectivos  – na subjectividade de cada olhar – o que é caracterísitca humana e não defeito nem deformação, nunca ofensivos e na boa-fé e vontaqde de trazer luz ao assunto.
Espero que o meu blog e eu sejamos respeitados neste princípio sob pena de vir a fechar os comentários se  entrarem em chicanas e este lugar correr risco de se tornar um lugar de guerrilha e ofensas  e não de esclarecimento.
……………………..
Conheço Adolfo Neves, considero-o um amigo e sei-o um homem íntegro e correcto. Mais do que isso: um homem bom.
Toda a sua vida e princípios são norteados pela fraternidade, pelo respeito entre os homens.
Por isso coloco excertos  de uma carta aberta escrita por ele, sobre um acto inclassificável e sem qualquer fundamento, contra ele cometido.
Só porque algumas pessoas pensam que podem. Porque “poder” é diferente de pensar que sim.
Aqui junto a minha voz à dele.
                                  *
«No dia 29 de Abril de 2009 ao comprar os bilhetes para a peça de teatro “A Última viagem do Ripert”, no Flor de Infesta, fui avisado, por um director, que vendia os bilhetes, ter ordens do senhor (…) (actual presidente do Flor de Infesta) e da senhora professora S. S. que “o SENHOR ADOLFO NEVES estava terminantemente proibido de tirar fotografias”e disse que não sabia de mais nada, só estava a transmitir aquilo que lhe foi ordenado. Já dentro do auditório, a professora senhora Selda Soares veio ao palco, com a sua habitual linguagem demagógica, reforçar aquilo de que já tinha conhecimento “está proibido de recolher imagens”, de imediato, a plateia se indignou e deu um grande coro de assobiadelas à senhora..
É meu dever informar que, no decorrer do espectáculo, uma só pessoa tirou 110 fotos e muitas outras tiraram fotos e fizeram filmes sem qualquer proibição ou impedimento para o fazeemr(…)
É ainda meu dever informar:
1º – Estou autorizado, pelos pais dos jovens, a tirar fotos (…) pedem-me fotos para perpetuar os momentos dos seus filhos.
2º – Desde o começo dos ensaios em 16-01 de 2008 e porque estava também no teatro, tirei centenas de fotos para elaborar o historial da colectividade.
3º – Responsabilizei-me, e fiz com todo o amor, a recolha de imagens dos prédios que existiam na altura do trajecto do “Ripert”e que foi exibido na estreia da peça, (…)
A senhora S. S. e o sr. A.A.  pediram, e eu entreguei, com todo o gosto, fotos para eles enviarem ao INATEL e este fazerdivulgação da peça.
(…)
8º – De meados de Janeiro de 2009 até 22 de Março de 2009 fui o responsável em garantir os ensaios quando a senhora S. S. faltava. Nunca faltei a nenhum ensaio, ao contrário da senhora que só apareceu nove vezes e ainda dizia que “ninguém devia faltar pois ela nunca faltaria mesmo que tivesse 40 ou mais de febre.”
9º – Ao longo de dois anos, que estive ligado ao teatro no Flor, dei sempre o meu melhor e não tenho ninguém que possa acusar de nada, lutei sempre pela harmonia(…).»
                                                                *
Conclui-se que a  verdade, a liberdade e a fraternidade continuam a incomodar muita gente. Quem não o seu eu,
Resta esperar que a direcção do Flor de Infesta – um baluarte do associativismo, da cultura e da liberdade -analise este acto e o anule.
 Só assim a justiça será reposta.
NOTA DA PROPRIETÁRIA DO BLOG, em 2009.07.29 – o título que dei a esta página é claro.
Em nome da “liberdade” e da “verdade” todos os comentários são aceites e bem-vindos, pois há sempre, pelo menos, dois lados, duas formas de ver qualquer assunto. Só espero que em nome da liberdade de expressão (neste caso)  e da verdade, os comentários sejam objectivos  – na subjectividade de cada olhar, o que é caracterísitca humana e não defeito nem deformação – nunca ofensivos e na boa-fé de trazer luz ao assunto.
Espero que o meu blog e eu sejamos respeitados neste princípio sob pena de vir a fechar os comentários se se entrar em chicana e este lugar correr risco de se tornar um lugar de guerrilha entre leitores e não de esclarecimento.
Anúncios

66 comentários »

  1. Não sei se será coincidência ou não, mas havia uma professora de expressão teatral no liceu onde o meu filho andou de nome Selda, com quem me deu bastante, que foi viver para o Norte, será a mesma? Só que a Selda que eu conheci não me parecia pessoa capaz desses actos. Mas é um nome tão pouco vulgar que…
    Quanto ao acto em si é claro que apoio a atitude de quem foi descriminado.
    Bjs
    TD

    Comentar por TERESA DAVID — 2009/06/28 @ 13:30 | Responder

  2. Para clarificar as coisas penso ser pertinente deixar aqui o enquadramento legal. Deixo um excerto do Código Civil do no artigo 79º o chamado “Direito à imagem”. Diz assim o diploma:
    1. O retrato de uma pessoa não pode ser exposto, reproduzido ou lançado no comércio sem o consentimento dela; depois da morte da pessoa retratada, a autorização compete às pessoas designadas no nº 2 do art. 71º, segundo a ordem nele indicada.
    2. Não é necessário o consentimento da pessoa retratada quando assim o justifiquem a sua notoriedade, o cargo que desempenhe, exigências de polícia ou de justiça,finalidades científicas, didácticas ou culturais, ou quando a reprodução da imagem vier enquadrada na de lugares públicos, ou na de factos de interesse público ou que hajam decorrido publicamente.
    Parece-me claro pelo diploma ter havido um excesso de “pseudopoder”. Quem o fez não tinha autoridade para impedir salvo a impedição ter sido universal e ter uma justificação lógica e plausivel. É pena as autoridades não terem sido chamadas na altura, queria ver suas excelencias a “desenrascarem-se” desta. Um ponto negativo para uma colectividade que se pretende pluralista e defensora da liberdade…. resta saber se não anda aí pessoas extremistas encapuçadas com nomes democráticos…. UMA VERGONHA!!!!

    Comentar por Angela — 2009/07/05 @ 09:56 | Responder

  3. 0 procedimento desta colectividade é ARREPIANTE e VERGONHOSO.Quanto à professora a sua actitude é ASSUSTADORA! Que lições de vida e cidadania dará ela aos seus alunos ? O que lhes dirá sobre DEMOCRACIA e LIBERDADE? Felismente os meus filhos nunca foram seus alunos e espero que os meus netos nunca o sejam.

    Comentario por Rosa – 2009/07/09

    Comentar por Rosa Missa — 2009/07/09 @ 23:10 | Responder

  4. Estas “pessoas” cometeram um repugnante crime contra a LIBERDADE de IMPRENSA.Deviam ser condenadas e punidas. Pena foi que a vítima Senhor Adolfo Neves não tivesse chamado de imediato a polícia para impedir e anular a prepotência destes monstrosinhos que julgam que estão a viver no tempo da ditadura fascista.A colectividade devia salvar o seu Honroso nome e pedir desculpas ao Senhor Adolfo Neves e afixar em lugar,bem vísivel, o seu pedido de desculpa para salvar o Bom nome da colectividade e não provocar mais danos. As nossas colectividades do País merem todo o carinho que possamos dar. Quanto à professora Selda Soares não encontro palavras para qualificar o seu REPUGNANTE e ASCROSO acto uma vez que a mesma é professora e tinha por dever ético não cometer tal crime. A classe dos professores meresse toda a dignidade e não é justo que seja manchada e posta em causa por uma “pessoa”que julga que pode fazer tudo e mais alguma coisa e que nada lhe pode acontecer pelo facto de ser professora e se julgar com poder sobre os de mais.

    Zita Carvalho

    Comentar por Zita Carvalho — 2009/07/10 @ 08:57 | Responder

  5. Caros amigos(as),
    Pelos vistos o 25 de Abril ainda não foi interiorizado por algumas pessoas e neste caso a situação agrava-se, pois estão postos em causa valores como a Democracia e a Liberdade, por pessoas exercendo cargos de responsabilidade (na Colectividade e no Ensino), cabendo aos associados uma palavra para repor a legalidade, nem que seja através duma Assembleia Geral Extraordinária.
    Esta gente está totalmente desenquadrada com a realidade dos dias de hoje ou então, sonhando com os tempos da repressão, tem mau acordar.

    Comentar por Manuel Vilas Boas — 2009/07/15 @ 12:35 | Responder

  6. Caros amigos {as},
    Como isto me deixa triste, após 35 anos do 25 de Abril, ainda há quem tenha procedimentos desta natureza, andamos nós a lutar pela liberdade, e afinal os saudositas não são capazes de engolir que temos o direito à liberdade e não repressão, acordem para a realidade para e esqueçam o passado tenham vergonha e acabem com isso.

    Comentário por Cecília Lima — 2009/07/15

    Comentar por Maria Cecilia da Rocha Lima — 2009/07/15 @ 13:12 | Responder

  7. Sabem, neste sábado passado.dia 11 do 07 de 2009 estava convidado por uma amiga, que ia lançar o seu livro, para fazer a reportagem fotográfica da cerimónia e, qual o meu espanto, a direcção do Flor de Infesta disse à minha amiga que eu,e só eu,estava proibido de tirar fotografias dentro daquelas instalações.Todos, associados ou não e até o mais alto responsável pela censura da PIDE/DGS que dava os dois traços de côr azul podiam tirar todas as fotos que quisessem. Agora não são só as duas pessoas iniciais, senhor António Augusto e senhora professora Selda Soares mas a direcção na sua maioria, ou talvez não.Se alguém estiver interessado em obter a “CARTA ABERTA” que diga pois a enviarei na íntegra.
    Este é o BLOG a passar na internet,posto por alguém, ao qual podem aceder todas as pessos AMANTES da LIBERDADE e DEMOCRACIA e dar a sua opinião. https://tmarts.wordpress.com
    Entram nele e vão ao lado direito clicar numa frase que diz “Pela liberdade pela verdade”.
    ………………………………………..
    NOTA DA PROPRIETÁRIA DO BLOG: diz o meu amigo, Neves no seu comentário. Cito: « (…) direcção do Flor de Infesta disse à minha amiga que eu,e só eu,estava proibido de tirar fotografias dentro daquelas instalações (…)»
    Não é correcto, pois tal não foi dito e o amigo Neves inferiu. Não sei se mais alguém está ou não proibido, mas o que me foi dito pelo presidente da Direcção, foi que, e cito de memória: “O sócio Adolfo Neves não pode tirar fotos dentro do flor e Infesta”
    Conceição Paulino

    Comentar por Adolfo Neves — 2009/07/15 @ 16:19 | Responder

  8. À minha amiga Conceição peço imensas desculpas. Na realidade, o que eu queria dizer era que “eu Adolfo Neves não podia tirar fotos dentro das instalações do Flor de Infesta”.
    O que vem a seguir: “Todos, associados ou não e até o mais alto responsável pela censura da PIDE/DGS que dava os dois traços de côr azul podiam tirar todas as fotos que quizessem” é da minha autoria”. Constacto, sempre há qualquer iniciativa cultural ou recriativa, que todosque queiram, tiram fotos e ninguém é proibido de o fazer.

    Comentar por Adolfo Neves — 2009/07/16 @ 17:33 | Responder

    • Senhor Adolfo
      Nem pecebo muito bem o motivo pelo qual o senhor, tão defensor da liberdade, não esclareceu as coisas directamente com as pessoas que resolveu achincalhar em praça pública. Era, no mínimo o seu dever de cidadão. E se acredita na liberdade, acredita no diálogo. E isso era o que se esperava de um democrata. Optou por não dizer de frente, pelo caminho mais fácil de quem se esconde.
      A provocação não é o caminho. Não é a linguagem que a revolução nos deu.
      E se a provocação foi o que lhe sobrou de outros tempos em que não se podia falar, nem tirar fotografias, apenas para poder dizer que foi vítima do sistema repressivo e da Pide, então este é o momento de o senhor se autoavaliar e de pensar se vale a pena todo este disparate.
      E é isto o esclarecimento da verdade, o direito à liberdade de expressão. Eu queria ver se fossem os seus filhos, quando pequenitos, a serem fotografados e o senhor a não saber onde paravam as fotografias deles. O que teria feito senhor Adolfo?

      Comentar por MJ — 2009/08/01 @ 18:40 | Responder

  9. Bem, à frase “O sócio Adolfo Neves não pode tirar fotos dentro do flor e Infesta” só falta a correcção do autor dessa “belíssima” frase que não é “o sócio” mas sim “o dirigente” de acordo com o site oficial dessa “instituição” (des)cultural. De acordo com o próprio site dessa mesma instituição:

    http://www.fazer-arte.com/flornet/

    Vá-se lá saber.

    “Sou totalmente a favor da separação entre estado e igreja. Acredito que estas duas instituições nos lixam sozinhas o suficiente que juntas seriam a morte certa”

    Comentar por Ricardo — 2009/07/16 @ 21:37 | Responder

  10. Senhor Adolfo Neves e visitantes desta página
    estive no espectáculo a que o senhor Adolfo Neves se refere e procurei perceber este episódio, porque as pessoas em causa não são efectivamente assim como aqui se diz.
    No espectáculo foi dito que estavam proibidas as fotografias sem autorização dos pais dos menores e sem autorização da direcção. O senhor Adolfo é que quiz entender que foi para si e assim continua a pensar e a dizer.
    E digo mais: foi apenas o senhor que se levantou e assobiou e bateu palmas de uma forma descontrolada. Depois levantou-se, fez barulho, gritou com as pessoas enquanto o espectáculo já decorria.
    E tanto quanto pude saber, o senhor Adolfo saiu do grupo de teatro e continuou a ir aos espectáculos, a sentar-se na plateia, tecendo comentários ofensivos ao espectáculo que também ajudou a construir. Isso não é digno de um sócio.
    Por outro lado, senhor Adolfo, andou por lá um bom tempo a tirar fotografias e tanto quanto sei nunca deu nenhuma aos actores ou ao Flor, apesar de lhas terem pedido muitas vezes. Como quer o senhor que o aceitem a tirar fotografias se as fotos que tirou nunca foram dadas ao elenco? Deu apenas a duas pessoas e foi quando o senhor divulgava a carta lá pela instituição. Francamente, senhor Adolfo.
    Também sei que os pais dos menores nunca lhe deram autorização para os fotografar, apesar de o senhor afirmar isso. Como pode o senhor dizer isso?
    No final do espectáculo, dada a polémica, fui saber quem foi o senhor que tinha tirado fotografias. Tratava-se de um pai de um jovem do elenco. E não foram 110 fotos, como o senhor diz.
    Visitantes desta página, informem-se como isto foi e não fiquem por apenas saber uma parte da questão, antes de escreverem o que escrevem por aqui. As pessoas em causa são muito dedicadas ao Flor e não merecem estas ofensas e mentiras.
    Isto exige um pedido de desculpas, pelo menos. Algumas pessoas não merecem o esforço que o director e a professora têm feito pela instituição.
    E o senhor sabe fazer melhor? Tanto quanto sei arranja sarilhos por todo o lado onde passa.
    Deixe a cultura crescer. E já agora construa qualquer coisa de útil à instituição que ainda o acolhe e eu nem sei como esta gente tem tanta paciência para si.

    Comentar por mj — 2009/07/29 @ 03:29 | Responder

    • Os actos ficam com quem os pratica… Ninguém é mais que ninguém para fazer julgamentos de valor. Por isso se os faz não está a ser melhor que o Sr. Adolfo Neves que tanto critica.
      Depois há um grande problema com a população portuguesa… Todos acham que têm direitos mas deveres não conhecem nenhuns… Isso e conhecer a legislação portuguesa. É triste haver pessoas que nem sequer sabem o básico do código civil português que é as regras para vivermos em sociedade… Então e para os que possam ler este blog eu faço o favor de ensinar algumas coisas. Como por exemplo o artigo 79º do código civil português e que diz:
      1. O retrato de uma pessoa não pode ser exposto, reproduzido ou lançado no comércio sem o consentimento dela; depois da morte da pessoa retratada, a autorização compete às pessoas designadas no nº 2 do art. 71º, segundo a ordem nele indicada.
      2. Não é necessário o consentimento da pessoa retratada quando assim o justifiquem a sua notoriedade, o cargo que desempenhe, exigências de polícia ou de justiça,finalidades científicas, didácticas ou culturais, ou quando a reprodução da imagem vier enquadrada na de lugares públicos, ou na de factos de interesse público ou que hajam decorrido publicamente.
      Qual é a parte do ponto 2 que não entendem??? A parte de “Não é necessário consentimento da pessoa retratada”??? Ou será “factos que hajam decorrido publicamente”? Se não perceberem há sites bons na net que explicam…
      “E tanto quanto pude saber, o senhor Adolfo saiu do grupo de teatro e continuou a ir aos espectáculos, a sentar-se na plateia, tecendo comentários ofensivos ao espectáculo que também ajudou a construir. Isso não é digno de um sócio.” Atenção!!! Quando se assume como verdade algo que não foi presenciado por nós corremos o risco de incorrermos em crimes de difamação. Por isso os “quanto pude saber” é algo muito perigoso. Se é… diz-se é e diz-se onde, como, e quem falou. Chama-se transparência… Eu posso dizer o que quiser e depois refugio-me no “quanto pude saber”. Apresentem factos e concretize-os.
      “e tanto quanto sei nunca deu nenhuma aos actores ou ao Flor” mais uma vez, concretize. “apesar de lhas terem pedido muitas vezes” por acaso deram algum dvd/pen ou estavam à espera “da mama” perdoem-me a expressão.
      “Tratava-se de um pai de um jovem do elenco. E não foram 110 fotos, como o senhor diz.” Gostava de saber como contou as fotos… E acho uma atitude louvável alguém ter desrespeitado a regra imposta. Afinal a regra era para todos os só para o Sr. Adolfo Neves??? Afinal o Sr. Adolfo Neves não é assim tão mau pois acata regras (mesmo que as considere injustas) e pelos vistos há pessoas que não o sabem fazer. Se é proíbido, é proíbido. Parece-me existir nisto tudo uma falta de coerência terrível ou serão apenas comportamentos e pensamentos néscios??
      “Tanto quanto sei” Outra vez, assuma-se. Diga o que sabe e não mande bocas para o alto. Se tem algo a dizer já o disse concretize diga o que aconteceu… Os covardes escondem-se nas capas destes chavões linguísticos. Paciência é uma virtude a a covardia um defeito…Se quer criticar faça-o com factos e não abstractos, depois disso então posso dar-lhe algum crédito…

      Comentar por Angela — 2009/07/30 @ 22:17 | Responder

    • “Tanto quanto sei arranja sarilhos por todo o lado onde passa.
      Deixe a cultura crescer. E já agora construa qualquer coisa de útil à instituição que ainda o acolhe e eu nem sei como esta gente tem tanta paciência para si.”

      Então não é que desde o início da peça – e não vai assim tanto tempo – já foram expulsos/convidados a sair/ – outras subtitezas linguísticas – 4 actores da peça (e pasme-se ,os melhores da peça!).

      Se calhar, e ocorreu-me assim de repente, não terá sido o Sr. Adolfo Neves a expulsá-los? Ah, pois claro… O Sr. Neves não é encenador… Ups… Pois então se calhar foi mesmo a encenadora…

      Eis-me então com dúvidas existenciais… Então o Sr. Neves é que é conflituoso mas é a encenadora que expulsa 4 dos melhores actores?

      (“E o burro sou eu? parafraseando o antigo seleccionador nacional).

      Aliás devo dizer que o actor que fazia o papel de Cunha era brilhante, a peça girava à volta dele, dava luz à peça, camuflava a falta de experiência (e quiçá algum jeito) de outros.
      Mas… foi expulso…!
      Se isto não se trata de eugenismo invertido expliquem-me o que se passa. Não acho normal “sairem” 4 pessoas do mesmo grupo de teatro em tão pouco espaço de tempo. Os Melhores ainda por cima! Grande trabalho que se faz pela colectividade. E quem souber que me explique a história das 4 saídas.
      Se realmente existe explicação.

      Comentar por Angela — 2009/07/31 @ 08:28 | Responder

      • É normal sairem pessoas quando não respeitam o princípio do grupo. E que eu saiba, apenas uma pessoa foi expulsa do grupo por ter ignorado o princípio de equipa, procurando o destaque para si próprio. Das restantes sabe o grupo do Flor que sairam por sua vontade. Que difamação!
        E eram as melhores? Sabe a senhora que esse juizo de valor é limitado: ser o melhor que r dizer precisamente o quê? O que representa melhor mas está apenas à procura de brilhar sozinho, ou desempenhar o seu papel com dignidade e pensar na equipa, respeitando todos, mesmo os mais idosos. É que quem foi expulso desrespeitou os mais velhos, queria brilhar sozinho e preparava-se para fazer uma limpeza, se não fosse a professora a travar essa vontade.
        Convido-a a tentar dirigir um grupo destes, levantá-lo do nada e trabalhar horas a fio nisto. Fazia melhor,
        senhora iluminada?

        Comentar por MJ — 2009/08/01 @ 17:17

      • “Que difamação!”???

        Que parte é que é difamatória?
        “E eram as melhores? Sabe a senhora que esse juizo de valor é limitado: ser o melhor quer dizer precisamente o quê?” Opiniões são subjectivas, mas o que diz cheira-me a muita inveja. Que sentimento ruim! Tente fazer melhor por si mesma… Iluminada?? Se o diz.. Quem sou eu para discordar? Como não me conhece não sabe o que o faço se calhar por isso teve este comentário infeliz: ”
        Convido-a a tentar dirigir um grupo destes, levantá-lo do nada e trabalhar horas a fio nisto”. Sabe o que faço de profissão e nos meus tempos livres?? Sabe a minha história associativa, o meu curriculum vitae? Como não sabe não fale, e se soubesse teria poupado o ridículo desta última frase.

        Comentar por Angela — 2009/08/01 @ 19:58

  11. eu sou um dos actores menores do flor de infesta e tenho varias objecçoes:

    1º o meu encarregado de educaçao nao assinou nada que deixasse serem captadas imagens minhas.

    2º ninguem assobiou a professora selda nesse ou em outro espetaculo algum.

    3º foi o meu pai que tirou fotos no espectaculo para mim e nao para serem divulgadas.

    4º nunca tive acesso a nenhuma das imagens que me foram captadas desde que entrei no grupo, e já lá ando á 3 anos.

    5º o senhor ADOLFO NEVES´devia ter vergonha do que diz e nao devia fazer o que está a fazer.

    6º a stora selda soares é uma exelente professora e encenadora, ela da-me aulas na escola e encena a peça no flor.

    7º o sr. devia-se preocupar com a instituiçao em questao, porque o senhor vai todos os dias em que há ensaios o sr esta la com a sua mulher a difamar o grupo. Eu acho isso muito vergonhoso.

    8º ja agora nao se esqueça de contar que a sua mulher ajudou a fazer os fatos, e quando decidiu sair do grupo exigiu a toda a gente a quem ela fez o fatos que lhe desse os mesmos.

    9º o senhor disse: “Conclui-se que a verdade, a liberdade e a fraternidade continuam a incomodar muita gente. Quem não o seu eu,
    Resta esperar que a direcção do Flor de Infesta – um baluarte do associativismo, da cultura e da liberdade -analise este acto e o anule.
    Só assim a justiça será reposta.” isto que o senhor anda a fazer nao é justiça e pura difamaçao.

    Francisco Maia

    PS: ” 1-

    Não sei se será coincidência ou não, mas havia uma professora de expressão teatral no liceu onde o meu filho andou de nome Selda, com quem me deu bastante, que foi viver para o Norte, será a mesma? Só que a Selda que eu conheci não me parecia pessoa capaz desses actos. Mas é um nome tão pouco vulgar que…
    Quanto ao acto em si é claro que apoio a atitude de quem foi descriminado.
    Bjs
    TD”

    Comentário por TERESA DAVID — 2009/06/28 @ 13:30 | Responder

    SIM É ESSA PROFESSORA, E A SENHORA TEM RAZAO A PROFESSORA NAO E ASSIM ESTE SR (ADOLFO NEVES) É UMA PESSOA SEM ESCRUPOLOS ALGUMS, E DEVIA TER VERGONHA.

    Comentar por francisco maia — 2009/07/29 @ 15:07 | Responder

    • Antes de mais quero tentar colmatar o atentado à Língua Portuguesa que um aluno (em fase já diferenciada cometeu). Passo por isso a corrigir os erros de alguém que não sabe escrever nem acentuar (ou será que tem um teclado de uma língua que não permite acentuação???)

      “1º o meu encarregado de educaçao nao assinou nada que deixasse serem captadas imagens minhas” – veja o código civil artigo 79º e veja que não é preciso autorização. Nem sabe escrever nem ler pelos vistos, dado que já existia um post com esse artigo antes do seu post.

      “2º ninguem assobiou a professora selda nesse ou em outro espetaculo algum.” Então estamos perante esquizofrenia de grupo??? O post diz que houve assobios e ruídos e que foram realizados pelo Sr. Adolfo Neves, agora diz que não houve nada… Algo não bate certo e reforço a ideia ou é esquizofrenia de grupo, ou problemas de audição.Qualquer uma das hipóteses podem ter tratamento…
      E…. já agora decidam-se, houve ou não assobios??

      “3º foi o meu pai que tirou fotos no espectaculo para mim e nao para serem divulgadas.” Lindo… então houve uma proibição e não foi acatada… Sócio ou não sócio não é atitude digna, é uma atitude que demonstra falta de capacidade de cumprir regras de sociedade. Quem não as consegue cumprir invariavelmente acaba ou na prisão ou na ala de inimputáveis dos Hospitais Psiquiátricos (como calculo que haja palavras que o nível cultural não permite a percepção aconselho a consulta do site http://pt.wiktionary.org sempre que tenha dúvidas).

      “4º nunca tive acesso a nenhuma das imagens que me foram captadas desde que entrei no grupo, e já lá ando á 3 anos.” Penso que quereria dizer “há 3 anos” erro básico… Deu algum suporte digital para as fotos serem copiadas??? Ou queria borlas??

      “5º o senhor ADOLFO NEVES´devia ter vergonha do que diz e nao devia fazer o que está a fazer.” E há quem deva ter vergonha de não saber escrever português e dar erros básicos…

      “6º a stora selda soares é uma exelente professora e encenadora, ela da-me aulas na escola e encena a peça no flor.” stora??? Acrónimo de Sr. Professora mas que não está contemplado na Língua Portuguesa. Linguagem falada é diferente de linguagem escrita.

      “7º o sr. devia-se preocupar” e corrijo de novo a gramática… “devia preocupar-se” ou a pronominação deve ser feita no verbo preocupar.

      “8º ja agora nao se esqueça de contar que a sua mulher ajudou a fazer os fatos, e quando decidiu sair do grupo exigiu a toda a gente a quem ela fez o fatos que lhe desse os mesmos.” Se o trabalho foi dela, se os materiais foram comprados por ela… Não vejo qual seja o problema… Alguém se propôs comprá-los??

      “Quem não o seu eu” – excelente pérola gramatical…
      “Só assim a justiça será reposta.” isto que o senhor anda a fazer nao é justiça e pura difamaçao.” Quem faz justiça são os tribunais, quem não o é e o faz chama-se mercenário.

      “SIM É ESSA PROFESSORA, E A SENHORA TEM RAZAO A PROFESSORA NAO E ASSIM ESTE SR (ADOLFO NEVES) É UMA PESSOA SEM ESCRUPOLOS ALGUMS, E DEVIA TER VERGONHA.” – razão; não; é;escrúpulos; alguns –
      Que tal ler um pouquinho e ir estudar português?

      Comentar por Angela — 2009/07/30 @ 22:43 | Responder

  12. (continuaçao)

    Se as pessoas conhececem a histgoria toda nao respondiam as coisas assim.

    ´

    O Sr. Adolfo quando nos conhecemos era um senhor espetacular, até ao dia em que a professora decidiu polo a “comandar as tropas”, a partir daí isso subiu-lhe á cabeça.

    e quando o senhor diz que a professora so apareceu nove vezes, é verdade, mas a professora faltou porque estava com uma tese da licenciatura para acabar e a avaliaçao dos professores para preparar. acho que compreencivel.

    Comentar por francisco maia — 2009/07/29 @ 15:17 | Responder

    • “a partir daí isso subiu-lhe á cabeça” já percebi porque é que não põe acentos… não os sabe colocar “à cabeça”

      “polo a “comandar as tropas” polo? Norte ou Sul?? Veja a diferença…

      “acho que compreencivel” compreensível…

      “tese da licenciatura para acabar e a avaliaçao dos professores para preparar” Pois, compreende-se, mas há algo chamado responsabilidade, se alguém aceita um projecto tem de ser responsável por ele e responsabilidade inclui estar presente naquilo que nos comprometemos… Tese de licenciatura??
      Mas não é já professora?? Eu sou licenciada, fiz o meu percurso no secundário com uma média que talvez nem sequer almeje sonhar com ela, fiz o meu curso, estou a fazer especialização e um mestrado ao mesmo tempo, sou atleta, treino 4 vezes por semana e jogo ao fim de semana e nunca faltei a nenhum treino. Chama-se responsabilidade. Não sou nenhuma super-mulher nem tomo criptonite. A isto chamo apenas organização. Tempo é aquilo que fazemos com ele… Ainda é muito novo por isso tem muito por aprender, se calhar devia escolher bem os modelos para essa aprendizagem e já agora melhorar o português…

      Comentar por Angela — 2009/07/30 @ 22:56 | Responder

    • Ahhhh tese de mestrado…
      Hummm interessante…
      Aquela tese que inclui o estudo de gerações… Aquela que inclui os membros do teatro….
      Ups…
      Para fazer uma investigação – para tese ou não – é preciso uma autorização, o chamado consentimento informado.
      Foi assinado pelos vários actores, adultos e pais ou educadores dos menores?
      É que é mesmo preciso ter autorização para tal?

      Comentar por Angela — 2009/07/30 @ 23:29 | Responder

      • Estimada senhora Angela
        Devo esclarecer que a investigação da professora não se efectua na instituição, não utiliza qualquer experiência nesta instituição, pois, se assim fosse, as autorizações teriam sido pedidas. O jovem que escreve isso pretende dizer que a professora faltava a alguns ensaios para se dedicar ao muito trabalho que tinha, nomeadamente a tese.
        É preciso saber ler e dados os seus conhecimentos linguísticos, deveria a senhora poder concluir melhor.
        Que estranheza essa agressividade face ao assunto!
        Procure saber o que se passou antes de disparar.

        Comentar por MJ — 2009/08/01 @ 17:08

      • Que fantástica é a senhora! E não toma criptonite. Sente necessidade de dizer tudo isso de si. Mas por que motivo?
        Olhe que quem precisa de falar de si quando ninguém pediu, não é sinal de muito boa coisa.

        Comentar por MJ — 2009/08/01 @ 18:09

      • Eu não falo de mim…Falo de muitos milhares de pessoas que fazem as mesmas coisas que eu. Eu não sou nem quero mostrar que sou a excepção, eu sou a regra. O que quero demonstrar é que a professora é que é a excepção… Quanto ao que foi dito em relação à tese foi a própria professora que informou que ia utilizar essa experiência na tese. Agora se mudou de ideias é com ela e é para o lado que durmo melhor.Agressividade?Algo muito subjectivo mas se calhar está a confundir acutilante com agressivo.

        Comentar por Angela — 2009/08/01 @ 20:06

      • E já que está tão informado/informada… Não é boa coisa??? Acha que me devo preocupar? Devo ir ao neurologista ou ao psiquiatra? Acha que é bom realizar uma TAC ou será melhor uma ressonância? Se calhar devo pedir-lhe o seu contacto, é médico/a não é? Para saber tanto de diagnósticos!!!

        Comentar por Angela — 2009/08/01 @ 20:09

  13. Ora vamos lá dizer umas verdades.
    Fui saber o que isto era e pasme-se: este senhor Adolfo tem mesmo um problema de relacionamento com muita gente, para não dizer quase toda a gente. Conheço a professora e trata-se de uma pessoa íntegra e defensora dos valores da democracia e da liberdade.
    O problema, Sr. Adolfo Neves, é que a sua liberdade termina quando invade a liberdade dos outros e os ofende. O problemas das fotos é que este senhor andou pelo Flor muito tempo a fazer fotografias e nunca as deu ou mostrou a ninguém. Se lhas pediram nunca as deu. E a professora apenas defendeu o direito dos menores, que integram o elenco e cujas fotos nem os pais as viram.
    E desde que este problema surgiu este senhor tem andado a mostrar fotos por todo o lado, para poder dizer que afinal até partilha as fotografias.
    Que vergonha senhor Adolfo. Esta atitude não honra nada os fotógrafos.
    O senhor gosta mesmo de estragar o que de bom pode ser feito no Flor.

    Comentar por maria do céu — 2009/07/29 @ 23:52 | Responder

  14. Boa noite. Desde já quero dizer que escrevi o meu nome em letras maiúsculas para que se veja bem quem está a escrever pois não tenho qualquer problema de dar a cara. Tal como o Francisco também sou actor no flor de infesta, associação da qual também sou sócio (nº 848) e tenho todo o gosto em ajudar em todas as actividades que me são possíveis. Aproveito também para frisar que lá dentro (e cá fora também) respeito todas as pessoas que merecem ser respeitadas mas desprezo quem não merece respeito.

    Quando hoje soube da existência deste blog posso dizer que uma pessoa por quem eu já não podia ter muito respeito, hoje perdeu-o de vez. É RIDICULO darem atenção às coisas que aqui estão escritas. Como é possível uma pessoa que eu ate respeitava se tenha transformado nesta coisa, que usa e abusa do nome de uma instituição e em especial de uma pessoa, e ainda tem a distinta LATA de publicar na internet este tipo de coisa

    Vou falar por mim, e quem me conhece sabe que eu não tenho qualquer problema em dar a cara e que me dou bem com toda gente mas as atitudes que tenho visto ultimamente SÃO REPUGNANTES e NÃO ADMITO que ponham em causa o nome de uma instituição (Flor de Infesta e direcção) e de uma pessoa que sim, esta é integra e de bem (Selda Soares).

    Eu tenho 21 anos não vivi “o tempo de ditadura” mas ensinaram-me o significado de LIBERDADE e é nojento ver que há gente que destorce esse significado. Será por sentirem falta da repressão?

    É triste alguém por em causa o trabalho dos outros mesmo sabendo que aquilo que dizem não é realidade.

    Exmo. Sr. Proprietário do blog e Sr. adolfo neves, não me vou alongar mais pois este tipo de gente não merece que eu perca mais tempo. Só gostava realmente era de ter agora um feedback do proprietário do blog, de tudo aquilo que foi aqui dito.

    cumprimentos a quem os merece

    Comentar por BRUNO BENTO — 2009/07/30 @ 00:06 | Responder

    • Deve-se achar a melhor pessoa do mundo… Presunção e água benta cada um toma a que quer. Se conhece o que é a liberdade deve agradecer ao Sr. Adolfo Neves e a todos aqueles que lutaram para que isso acontecesse. Sugiro a pesquisa e estudo das seguintes palavras: liberdade, libertinagem, direitos do Homem, liberdade de expressão… E consultar uma gramática: “distorce” e não… “destorce”. E já que estou numa de ensinar alguma coisa, escrever em maiúsculas na net significa gritar, que excelente educação a sua estar a gritar num blog.A falta de classe vê-se de muitas formas (os erros ortográficos também são uma delas). Enfim…

      Comentar por Angela — 2009/07/30 @ 23:03 | Responder

  15. Diz e pede o Sr. Bruno Bento e cito: « (…)Exmo. Sr. Proprietário do blog (…) não me vou alongar mais pois este tipo de gente não merece que eu perca mais tempo. Só gostava realmente era de ter agora um feedback do proprietário do blog, de tudo aquilo que foi aqui dito.»
    ***
    Compreendi porque necessita de escrever em letras maiúsculas.
    Não é um senhor mas uma senhora a proprietária do blog e como democrata que sou publiquei o seu comentário:
    1 – apesar de o senhor me não conhecer de parte alguma e pelos vistos ter dificuldades de leitura, ou não ter lido com atenção o que está escrito, senão teria percebido – com toda a clareza – ser uma senhora e não um senhor, a proprietária do blog;
    2 – apesar de me não conhecer de parte alguma ser altamente ofensivo dizer e classificar-me: “…este tipo de gente..”.
    ****
    O aviso está no blog desde ontem.
    Para pessoas que só sabem ler – porque ler implica interpretar correctamente o que se lê – as letras gordas – está agora em duplicado. No início e no fim do post.
    De resto o que penso a mim diz respeito. Respondi. Não o ofendo como o Sr. fez em relação a mim, mas fica o aviso – repetido pela 3ª vez – não aceito diálogos, nem mais respostas ofensivas a quem quer que seja.
    Os comentários que surgirem nesse tom, com essas características, serão eliminados.
    Só postarei os que forem clarificadores e em linguagem correcta.
    Pode-se exprimir qualquer opinião sem ofender terceiros.
    Pela liberdade e pela verdade o post continuará com os comentários abertos desde que os princípios enunciados no aviso – colocado no início e no fim do post – sejam respeitados.
    Quanto ao Sr. Bento não necessita responder pois não será colocada. O Sr. disse o que entendeu.
    Eu usei o direito legal de resposta. Passe bem.
    A proprietária do blog,
    Conceição Paulino.

    Comentar por Conceição Paulino — 2009/07/30 @ 17:15 | Responder

  16. Xiiiiii, isto está a ficar quente.
    Acho mesmo muito bem Maria do Céu. Bom olhar sobre as coisas. A liberdade é uma questão de cidadania e nada disto deveria usar o nome da liberdade, pois há pessoas que foram injustiçadas (o director do Flor e a professora) sem ninguém ter ido saber antes o que se passava.
    Pergunto o mesmo: a autora do blog conhece o trabalho das pessoas em causa?
    Melhor: se fosse a sua filha que estivesse no elenco do Flor e andasse um fotógrafo a tirar fotografias sem a senhora nunca as ver, será que a senhora ia gostar? Ou pediria, antes disso, que o tal fotógrafo fosse impedido de tirar mais fotografias à sua filha?
    É que eu conheço pelo menos 3 pais dos menores do elenco e todos dizem nunca ter autorizado o tal senhor Adolfo a fazer as fotos dos seus filhos, desde que esse senhor saiu do grupo de teatro. Mais uma zanga das dele!
    Abençoada direcção e abençoada professora que protegeram os menores e defenderam a arte.
    Eu queria que os meus filhos fossem alunos dessa professora e os meus netos também.

    Comentar por MJ — 2009/07/31 @ 00:47 | Responder

    • Quantas vezes é preciso dizer que não é preciso autorização para tirar fotos de ninguém desde que inseridas em actos culturais e por isso públicos. E mais uma coisa que também vem no código civil. As fotos podem ser tiradas mas não distribuídas. Por isso e para os mais néscios o Sr. Neves terá procedido correctamente tirou as fotos, está na lei que pode e não as divulgou – também está na Lei.
      Parem de mostrar a ignorância, mesmo a ler, porque já o repeti aqui umas quantas vezes… É tão triste as pessoas não saberem as leis pelas quais se regem. Eu própria já fui fotografada milhares de vezes, centenas das quais saí em jornais ou revistas, algumas das quais enquanto menor. E não cabe na cabeça de ninguém eu andar a pedir aos jornalistas ou fotógrafos as minhas fotos, apesar de, se calhar, até estar interessada nelas. Mas as coisas não funcionam assim. E lá está, há pessoas que confundem a liberdade e direitos com a libertinagem e ausência de deveres. Há pessoas que só deviam viver em ditaduras por uma simples razão: são incapazes de pensar por si próprias, adoram as ideias feitas e porque alguém com afinidade (?) ou predomínio diz algo nem pensam duas vezes e aceitam a sua opinião – passando esta a figurar como verdade.
      É o chamado fast food ideológico. Aliás estou a ver muita gastroenterite cerebral aqui. Cidadania meu caro significa regermo-nos pelas nossas leis claro que para tal é necessário conhece-las que é o que muita gente que aqui escreve não sabe. Abram as cabeças,alarguem horizontes, leiam, reflictam, conheçam as leis e o código civil… E sobretudo pensem!
      Nunca ponham as mãos por quem não conhecem.
      Abstenho-me de fazer comentários de personalidades. Tenho formação nessa área, treino isso todos os dias na minha profissão e sei perfeitamente que há pessoas capazes de enganar o Diabo. Sobretudo esforcem-se por colocar as coisas no seu devido lugar. E se procurarem se calhar há coisas bem mais importantes e essas sim ilegais para se preocuparem. Quem tem telhados de vidro nem sequer devia olhar para pedras quanto mais atirá-las.

      Comentar por Angela — 2009/07/31 @ 17:18 | Responder

  17. Vejamos então:
    “pois há sempre, pelo menos, dois lados, duas formas de ver qualquer assunto” diz a autora do blog e muito bem. Mas eu pergunto por que motivo a autora do blog não deixou isto escrito quando publicou as injúrias do senhor Adolfo Neves? Foi a autora do blog à procura de saber o outro lado do assunto? Conhece o trabalho feito lá pelo Flor da responsabilidade do director e da professora, ambos ofendidos na carta desse fotórafo?
    A autora deste blog leu com atenção a carta desse Adolfo Neves? É que “ler implica interpretar correctamente o que se lê” e deveria ter percebido a maldade e a frustração desse senhor Adolfo Neves pelo emaranhado de ofensas, pelo sem sabor da carta. De defesa da cultura nada tem. São palavras de quem perdeu e não gostou e como nada mais tem para fazer, dedica-se à intriga e a prejudicar o trabalho dos outros.
    Conto-lhe aqui uma coisa, que já ouvi ao próprio: no bar do Flor, nos dias de ensaios, este senhor senta-se e espera pelos actores, com quem se zangou. Diz coisas como: “o meu desejo é ver este grupo de teatro destruido!” Isto é atitude de um bom sócio? É atitude de quem respeita a instituição? Que credibilidade tem esta pessoa?
    Haja justiça de facto. E paciência destas pessoas que foram caluniadas e continuam a dar o seu melhor pela instituição de forma voluntária.

    Comentar por Maria do Céu — 2009/07/31 @ 01:18 | Responder

  18. É de lamentar que determinadas pessoas estejam a divulgar ou efectuar comentários sem conhecimento do sucedido, estive presente na apresentação da referida peça no Flôr de Infesta no dia em que aconteceram as divergências de opinião referentes ao caso de poder ou não poder efectuar reproduções fotográficas, pelo que, estou perfeitamente ao corrente do sucedido e como tal é intolerável o mau estar que esta situação criou no Grupo, assim como também é intolerável o comportamento do Sr. Adolfo no início e no decorrer da dita peça, a atitude de ter vindo a público divulgar esta situação, trata-se únicamente de uma falta de personalidade e sentido de inferioridade pessoal, deve o Sr. Adolfo resolver os seus casos pessoais no devido sítio e não na praça pública, colocando em causa o bom nome da Instituição que diz respeitar e ser sócio, não posso deixar de efectuar um comentário a Angela, o que, o Francisco revelou no seu comentário só demostra o descontentamento e a revolta de quem trabalha em prol de uma Instituição que todos devem respeitar, deixando por vezes o conforto do lar e da familia para ir ensaiar ou representar, como tal creio que deveria estar mais preocupada com a situação que deu origem a tudo isto do que estar a responder e chamar a atenção de uma criança em relação ao seu português, Ele só manifestou o seu desagrado e sentiu a forma e a injustiça do que foi divulgado em relação a Drª Selda.
    Ninguem é culpado até ser provado, pelo que sujiro que antes de se pronunciarem sobre o assunto apurem primeiro os factos.
    Bem haja ao Flôr de Infesta, e a todos aqueles que contribuem para o seu bom nome.

    Comentar por José Carlos — 2009/07/31 @ 18:04 | Responder

  19. Há um ditado muito antigo que diz “Da discussão (no sentido de debate de ideias)nasce a luz!
    ………………..
    Algo que gostaria de ver nascer aqui. Mas não.
    ………………..
    Inquire-me a Sra. D. Maria do Céu, pegando em afirmação minha e cito-a:«”pois há sempre, pelo menos, dois lados, duas formas de ver qualquer assunto” diz a autora do blog e muito bem. (…). Foi a autora do blog à procura de saber o outro lado do assunto? Conhece o trabalho feito lá pelo Flor da responsabilidade do director e da professora, ambos ofendidos na carta desse fotórafo?»
    Minha cara senhora, a sua interpelação, apesar da interrogativa, é mais uma afirmação da sua convicção do meu desconhecimento do que uma interrogativa real.
    ………………..
    Claro que não sei o dia a dia, ou o noite a noite dos ensaios do grupo de teatro porque lá não estava. Mas tantos de vós dizem saber, referem conhecer os factos, os acontecimentos, as ocorrências…então porque é que, eles factos e elas ocorrências, não aparecem, mas sim uma confusão de acusações e pressupostos?
    Gostava de ver a luz nesta infeliz confusão, mas tal não está a emergir – só mais confusão e nada esclarecedor.
    O Sr. José Carlos é um dos que afirma “saber” – porque estava lá – mas depois nenhum facto, real, palpável, refere.
    E Sra. Dona Maria do Céu, pela liberdade e pela verdade é que este espaço tem os comentários abertos. A liberdade é a de cada um poder, com objectividade dizer factos que clarifiquem o que levou a esta decisão.
    E, minha senhora, não venham com a história das fotografias não serem entregues pois que sei que o meu amigo Neves disse a vários elementos do grupo que ainda não sabia imprimi-las no computador, mas mostrava-as no visor. Até pediu ajuda a um jovem elemento do grupo, não sei se será este jovem Francisco,que lhe disse dominar bem os computadores, pois na altura ele, Neves, contente referiu-me este facto e que o jovem concordara, mas não retive o nome por não ser relevante quem o ia ajudar, pois desconhecia a pessoa.
    ……………….
    E, pela verdade, não a minha, ou a do Neves, ou a de cada um de vós, os debates querem-se sérios, sem pré-julgamentos, mas elencando os factos – únicos elementos objectivos face à subjectividade das emoções humanas.
    E é pela liberdade e pela verdade, minha senhora, que aqui publiquei este excerto da carta e se lerem, se se derem ao trabalho de ler, lerão que escrevi estar convicta do desconhecimento da direcção do Flor de Infesta do ocorrido.
    …………………
    Lendo os dois extensos posts deixados pelo jovem Francisco cuja idade desconheço uma dúvida:
    1 – ou não é uma criança como o Sr. José Carlos afirma;

    2- ou, se é uma criança, aqueles dois posts tem a estrutura de pensamento lógico de um adulto – quem os escreveu então para que ele os colocasse?
    Conceição Paulino

    Comentar por Conceição Paulino — 2009/07/31 @ 20:23 | Responder

    • Bem de qualquer forma, adulto ou criança não sabe escrever correctamente e dá erros ortográficos que se farta…Umas aulinhas de ortografia davam jeito…

      Comentar por Angela — 2009/07/31 @ 21:18 | Responder

  20. 1 – antes de mais quero dizer que tanto se fala de liberdade que me apagaram um comentário em que eu pedia desculpa a proprietária do blog por lhe ter tratado por Sr.
    ……………………
    SOU A PROPRIETÁRIA DO BLOG E SE APAGUEI O COMENTÁRIO FOI EXACTAMENTE PELA IRONIA GROSSEIRA.
    O SR. SABE MUITO BEM QUE A OFENSA FOI ” ESTA GENTE”. OU NÃO SABE?
    E AGORA VEM AQUI, SONSAMENTE, DIZER QUE PEDIU DESCULPAS…..
    SR. BENTO, O RESPEITO É BONITO, EU GOSTO E… PPRATICO SEM SOFISMAS.
    E QUANTO A APAGAR COMENTÁRIOS O AVISO ESTÁ BEM CLARO E…FALSAS DESCULPAS SÃO OFENSIVAS.
    O BLOG É MEU CASO NÃO TENHA DADO CONTA…FICA O AVISO

    ………………..
    depois é por estas coisas que surgem os mal entendidos. mas pronto eu sei o que sou e não é isto que me vai fazer mudar.

    2 – quanto ao que falam sobre leis. eu tenho o direito a não permitir que me tirem fotos. apesar de termos muita coisa mal neste pais ainda temos direitos que nos assistem. já agora era o que faltava andarem prai a tirar fotos a torto e a direito sem ninguém por mão nisto. No sitio onde trabalho actualmente nos temos uma declaração que as pessoas assinam caso permitam que lhes seja tiradas fotos. no flor não me lembro de ter assinado alguma. alguém assinou?

    3 – quanto as fotos não me parece que seja por não saber imprimir as fotos ate porque eu recebi uma do carnaval. para alem disso existem outros suportes para as fotos que julgo o sr adolfo ter conhecimento, caso contrario como fez ele em tantos eventos que fotografou e que afirmava tiram um grande numero de fotos? com certeza não as imprimiu todas.

    4 – quando se fala de o francisco ser uma criança, trata-se de um adolescente que sente indignação com aquilo que se passa pois VIVE de forma intensa o espírito de associativismo pois dá muito ao flor perdendo por vezes horas pra fazer coisas normais para a idade.

    Cumprimentos

    Comentar por BRUNO BENTO — 2009/07/31 @ 20:52 | Responder

    • “1 – antes de mais quero dizer que tanto se fala de liberdade que me apagaram um comentário em que eu pedia desculpa a proprietária do blog por lhe ter tratado por Sr.

      “quanto ao que falam sobre leis. eu tenho o direito a não permitir que me tirem fotos. apesar de termos muita coisa mal neste pais ainda temos direitos que nos assistem” Carissimo, as leis são claras e se alguém está inserido num espctáculo público tem de arcar com as consequências nomeadamente o facto de ser fotografado. Eu ainda não consegui perceber o que é tão dificil de entender na Lei. Analfabetismo funcional, parece-me… “No sitio onde trabalho actualmente nos temos uma declaração que as pessoas assinam caso permitam que lhes seja tiradas fotos” percebe a diferença entre local de trabalho (isto é algo privado) e espectáculo público?
      “quanto as fotos não me parece que seja por não saber imprimir as fotos ate porque eu recebi uma do carnaval” Mais um caso de esquizofrenia grupal? Então afinal o Sr. Neves dá as fotos ou não? Eu acho que esta falta de coerência começa a ser patológica. “para alem disso existem outros suportes para as fotos que julgo o sr adolfo ter conhecimento, caso contrario como fez ele em tantos eventos que fotografou e que afirmava tiram um grande numero de fotos” já falei desses suportes em cima… Já que estava tão interessado nas fotos por acaso deu ao Sr. Neves um desses suportes para a cópia das imagens?É que também não vejo obrigação de ser ele a comprar esses suportes e a oferecer-lhe.

      “coisas normais para a idade.” bem visto, e estudar português será uma delas. Quanto tiverem argumentos e factos coerentes escrevam, de outra forma tomem um anti-emético.

      Comentar por Angela — 2009/08/01 @ 14:53 | Responder

      • Eu realmente fico fascinado com as pessoas que tem a mania que são donas da verdade e pensam que sabem tudo. Enfim…
        Quanto ao resto não vou sequer estar aqui a perder mais tempo, ate porque já perdi muito e cada vez que venho aqui só me chateio e não vale a pena ate porque os problemas não são aqui que se resolvem. Aquilo que eu quero deixar aqui bem claro é que surgiu aqui comentários de pessoas que não fazem a mínima ideia do que realmente se passou e que fizeram comentários sem terem noção do que fizeram. A essas pessoas digo pra se informarem bem do sucedido e então ai falam. Agora e já agora já não me recordo mas penso que se falou aqui algures sobre dizer as coisas cara a cara. É so dizerem dia, hora e local lá estarei.

        Cumprimentos

        Comentar por BRUNO BENTO — 2009/08/01 @ 18:07

      • Ainda bem que fica fascinado… Eu não me afirmo dona de nada, além do meu nariz. Só quero que percebam as leis que é algo dificil de entender para algumas pessoas. Liberdade não é ausência de leis e regras sociais, a isto chamamos anarquia. Não sei tudo… Já o disse. Orgulho-me por isso. Aliás quanto mais sei mais fica a impressão do quão limitado é o meu conhecimento. Mas isso não me desmotiva. Dá-me força a continuar a melhorar e a aprender. Não me contento com a primeira resposta que me aparece. Não como informação mastigada. Acha mesmo que não estou dentro do assunto? Como se engana…

        Comentar por Angela — 2009/08/01 @ 19:23

  21. Facto 1: Foram exibidas durante a estreia da peça imagens relacionadas com a peça em si, para quem as quisesse ver (foram exibidas em projecção na parede e no átrio da entrada).

    Facto 2: Foram impressas e vendidas aos pais dos alunos que manifestaram esse interesse, fotografias da festa de Natal.

    Sou totalmente a favor da liberdade de expressão e para que toda a gente que comentou este blog o pudesse fazer, muitos foram os sacrifícios feitos por pessoas que da minha parte merecem todo o respeito e admiração (ao contrário de pessoas que tentaram, que hoje, esta liberdade não existisse). Contudo, existe liberdade de expressão, diversidade de opinião e existe ultrapassar todos os limites destas duas e passar para a injúria, insulto e calúnia.

    Com isto, quero deixar bem claro que me magoa imenso ver aqui pessoas proferirem acusações e insultos dirigidos a uma pessoa que conheço desde que nasci e que as sei injustas e falsas. Convido qualquer pessoa que o queira fazer, a faze-lo à minha frente ou à frente de quem se possa defender dessas mesmas acusações.

    Sim, porque aqui, toda a gente tem a sua razão, toda a gente pensa que sabe e toda a gente pensa que sabe a verdade. Aceito que tenham opiniões e que felizmente são diferentes mas não aceito de forma alguma que entrem na cobardia de insultar através de um meio como este que o permite fazer sem qualquer dificuldade e sem qualquer responsabilidade de assumir as consequências de tal acto.

    Sr. José Carlos,
    “deve o Sr. Adolfo resolver os seus casos pessoais no devido sítio e não na praça pública”, espero sinceramente que nesta frase simplesmente lhe tenha corrido mal e que não esteja a insinuar nada, porque mesmo que houvessem problemas pessoais a resolver, são pessoais e não lhe reconheço qualquer tipo autoridade para vir falar na vida pessoal das outras pessoas.

    Sra Maria do Céú,
    “desse fotórafo”, “desse Adolfo Neves”, “esse” a quem se refere é, tal como eu e como a Sra um ser humano e merece que seja tratado como tal.

    Independentemente de quem tenha ou não razão, de que lado esteja a verdade era bom manter o bom senso e o respeito mútuo. Não conheço a maior parte das pessoas que comenta este blog mas não é por isso que deixo que as opiniões de quem conheço interfiram na minha capacidade raciocínio e respeito para com os outros.
    Relembro o meu convite a quem queira entrar por este tipo de situações.

    Comentar por Ricardo — 2009/07/31 @ 22:14 | Responder

  22. Eu gostava que a Srª. Proprietaria do Blog se dirigi-se ao Flor de Infesta e em frente aos membros ou não membros do grupo que estão a comentar, e falasse com a rudeza que está a falar aqui.

    …..

    Eu peço desculpa a todos os leitores do blog pelos meus erros ortográficos, pois escrevi os “post’s” em 5 minutos, uma vez que estava com pressa; para esclarecer a duvida da Srª. eu tenho 14 anos de idade.

    ……

    A Srª. tambem está errada, porque a Professora Selda Soares nao estava a investigar para a tese de Mestrado, mas sim para a tese de Doutoramento.

    Portanto, como vê não sou só eu que erro.

    ……

    Já agora, como é que a Srª. sabe as minhas notas? O Sr. Adolfo Neves tambem foi á minha escola vê-las? Como foi á escola falar com os outros professores da mesma para difamar a DOUTORA SELDA SOARES.

    Comentar por francisco maia — 2009/08/01 @ 02:42 | Responder

  23. Peço desculpa mas enganei-me na frase: “Eu gostava que a Srª. Proprietaria do Blog se dirigi-se ao Flor de Infesta e em frente aos membros ou não membros do grupo que estão a comentar, e falasse com a rudeza que está a falar aqui.”

    Escrevi “dirigi-se”, em vez de DIRIGISSE

    Comentar por francisco maia — 2009/08/01 @ 02:46 | Responder

    • o “Eu peço desculpa a todos os leitores do blog pelos meus erros ortográficos, pois escrevi os “post’s” em 5 minutos, uma vez que estava com pressa; para esclarecer a duvida da Srª. eu tenho 14 anos de idade.” Erros ortográficos são diferentes de erros de digitação. Estes últimos podem dever-se a uma escrita rápida os outros não. Não queira esconder a sua falta de cultura linguística e gramatical sob o manto da rapidez. Quem escreve bem, não dá erros quer o faço com ou sem pressa. De forma oposta quem não sabe escrever, dá erros e não deve tentar justificá-los, fica bem admitir que não se sabe. É chamada humildade de conhecimento e só assim podemos evoluir. E evoluir significa selecção… Claro que a selecção natural escolhe os melhores, é por isso que não somos todos iguais e há aqueles que não saem nem nunca sairam da cepa torta (passo a expressão).
      “A Srª. tambem está errada, porque a Professora Selda Soares nao estava a investigar para a tese de Mestrado, mas sim para a tese de Doutoramento.” Agradeço imenso a correcção e se o diz em tom de crítica negativista devo dizer-lhe que o seu objectivo não foi cumprido e a forma como o diz só demonstra falta de maturidade (mesmo atendendo à idade). Eu costumo ver essas atitudes em crianças do 1.º ciclo o que manifestamente não é o seu caso. Mas aproveito para reflectir algo que julgo pertinente. “Errare humanum est”. Tenho orgulho em errar e ter noção que errei. Não sou perfeita como ninguém o é mas na minha filosofia tenho em mente que do erro sai a luz. Só ao errarmos, detectarmos o erro e ao admiti-lo é que podemos corrigir e melhorar a nossa forma de actuação. Claro que admitir os erros e torná-los algo positivo é uma atitude que exige maturidade, humildade e um certo desenvolvimento comportamental. Talvez um dia consiga atingir esse nível e perceber do que falo (ou talvez nunca chegue a perceber).
      Mas voltando à questão… O facto de ser uma tese de Doutoramento só torna o facto mais grave uma vez que se pressupõe que as teses de Doutoramento sejam mais e melhor elaboradas que as de mestrado.
      Para qualquer estudo que se pretenda científico tem de haver um consentimento esclarecido por parte dos objectos de estudo. Tem de ser explicado os objectivos, os dados que vão ser utilizados e como vão ser utilizados. Existe uma pleiade de decretos e leis que regulam este ponto mas penso que é fundamental uma boa informação e capacidade decisional com base nela. E então o estudo é prospectivo, rectrospectivo, intervencional? Aqueles que andam aí muito preocupados com assinaturas e autorizações (essas sim sem necessidade para tal) deviam preocupar-se com os seus dados pessoais. Não digo que seja o caso mas fica à reflexão… Dados pessoais, de opinião, de ideias credos ou orientação política, tudo isso pode ser obtido facilmente em estudos não regrados e nos quais não temos acesso à metodologia e variáveis estudadas. Agora lembrem-se de por exemplo um patrão ter acesso a esse trabalho e usar esses dados para a recusa da pessoa X para o emprego em causa. Infelizmente não é ficção científica. E não é por acaso que todos os estudos têm regulamentação, em especial os ligados à saúde mas não nos podemos esquecer dos outros de áreas humanísticas, sociológicas e filosóficas. É o que eu digo o fast food ideológico impede as pessoas de pensar por si e viverem com o pensamento toldado pela distrofia neurológica a que se propõe com atitudes e actos imponderados e sem razão de causa.
      “Já agora, como é que a Srª. sabe as minhas notas? O Sr. Adolfo Neves tambem foi á minha escola vê-las? Como foi á escola falar com os outros professores da mesma para difamar a DOUTORA SELDA SOARES.” Aprenda o que é difamar e chegue à conclusão que esteve a fazer isso em relação ao Sr. Neves. Relato de factos é diferente de difamação, o que me parece não ser um conceito universal para os participantes neste blog. E mais uma achega… não se preocupe que pela forma como escreve, o tipo de pensamento, a incapacidade de interpretação de textos simples, a forma e conteúdo do pensamento pode-se depreender com toda a certeza que não é e está muito longe de ser um aluno brilhante.Não se preocupe ninguém o terá tomado por um génio e pela sua resposta ao inquirir ou pôr em hipótese alguém ter ido saber as suas notas à escola, confirma tudo. Mas não é nenhuma vergonha não se ser brilhante nos estudos. O povo diz “nem todos podem ser doutores” e claro a genética também conta assim como o esforço pessoal. Um e outro podem colmatar-se mas não podemos fazer milagres. Quero dar-lhe muita força na persecução dos seus objectivos mas claro que não “podemos ser todos doutores”.

      Comentar por Angela — 2009/08/01 @ 20:14 | Responder

  24. Jovem Francisco: crueza e frontalidade não são o mesmo que dureza.
    ……………….
    E para sua informação quem me conhece sabe que digo sempre o que penso, mas sem injúrias. Também sem paninhos quentes. E que quando colocada perante factos – FACTOS – que me provem o erro peço desculpas.
    …………….
    E repito: gostava de ver factos aparecerem e não este jogo de ping-pong de comentários à volta das fotos. O que pretendem? Dizer que o Sr. Neves ia utilizar as fotos na net?
    Bom….Espero bem que não vão por aí. Seria muito, mas muito feio.
    E já agora – pergunta honesta porque não sei mesmo!
    …………….
    Quanto tempo – meses, semanas, anos? – conviveu Adolfo Neves convosco sempre a tirar fotos?
    ……………
    Houve informação da vossa parte, foi-lhe dito, durante esse período, que não autorizavam?
    Alguma vez lhe foi dito?
    Mas quanto tempo mesmo conviveu sempre a tirar fotos?
    ……………
    As fotos, ou seja, o ping-pong das fotos parece uma distracção…
    ……………..
    Pelos vistos o jovem conhece os comentadores….
    Eu não. Creio que não conheço nenhum/a.
    E se me obrigam, desafiam a responder ou ofendem, quer que faça carícias?
    Conceição Paulino

    Comentar por Conceição Paulino — 2009/08/01 @ 10:14 | Responder

  25. Pois senhora dona Conceição Paulino, poderia a senhora passar pelo Flor de Infesta e, perante a direcção e os membros deste grupo, os pais dos menores, dizer o mesmo que aqui diz? Poderia a senhora estabelecer um diálogo em prol da verdade deste caso?
    Podemos marcar encontro por lá e tentar esclarecer tudo isto, em vez de se degladiar no seu blog com a liberdade de expressão, com os comentários dos outros, com a enormidade de parvoices e de frustrações que por aqui andam.

    Comentar por Maria do Céu — 2009/08/01 @ 17:01 | Responder

  26. Se a Srª. prestar atenção, verá que o Sr. Bruno Bento faz parte do elenco.
    ….
    Eu convivi 3 anos e alguns meses com o Sr. Adolfo e por várias veses pedi as fotos.
    ….
    Quando a Srª. Angela diz:

    “nunca tive acesso a nenhuma das imagens que me foram captadas desde que entrei no grupo, e já lá ando á 3 anos.” Penso que quereria dizer “há 3 anos” erro básico… Deu algum suporte digital para as fotos serem copiadas??? Ou queria borlas??
    Não queria borlas, mas sabe que existe uma forma gratuita de enviar fotografias ou texto, O E-MAIL, mas secalhar a Srª. não sabe o que é.
    Mas mesmo que o Sr. Adolfo não tivesse mail, pedia um suporte digital e eu emprestava um CD ou uma PEN, mas o Sr. nunca pediu.
    Sempre que eu pedia ele dizia: “Está bem “Chiquinho”” Portanto a Srª. devia falar só do que sabe.
    FRANCISCO MAIA

    Comentar por francisco maia — 2009/08/01 @ 18:08 | Responder

    • Ai ai!!! Também mostra falta de conhecimentos informáticos??? Então não sabe que para eu escrever neste blog tenho de ter um email? E também não sabe que as caixas de email têm memória limitada (cerca de 20MB por mensagem) e que se forem enviadas muitas em pouco espaço de tempo o filtro de SPAM é activado e a conta bloqueada. Como também não deve ser a matemática o seu forte se calhar não consegue compreender que uma imagem com boa qualidade fotográfica atinge rapidamente valores nessa ordem, quanto mais “muitas imagens” como dizem que foram tiradas. Começo a pensar que estamos perante um Síndrome de Asperger… E se estava tão interessado nas ditas fotos, não é o Sr. Adolfo Neves que tem de lhe pedir um CD/DVD/DVD. Devia ter fornecido os suportes e se aí não lhe fossem disponibilizadas as fotografias, poderia falar.

      Comentar por Angela — 2009/08/01 @ 19:50 | Responder

  27. Que tristeza de vidas estas.
    Nem vale a pena o tempo perdido nisto.
    Sugestão:
    – o senhor Adolfo podia ir à instituição para dialogar com a direcção e a professora, coisa que nunca fez;
    – podia, ainda, conversar com os pais dos menores desse grupo e perceber o que sentem em relação a tudo isto, o que nunca fez;
    – os comentadores passavam o mês de Agosto em reflexão, em família;
    – a autora do blog podia ir à instituição saber o que se passa e o que se está para passar.
    Por mim, isto está deprimente.
    Lamento apenas o mau estar que isto causa em quem trabalha em prol da instituição, que tanto dá para que o Flor avance e recebe tanta chicotada.
    S.Mamede é um poço de inveja. Que pena alguns mamedenses andarem dedicados a destruir o trabalho dos outros.

    Comentar por MJ — 2009/08/01 @ 19:01 | Responder

    • Pois é este tipo de coisas estragam o bom nome de uma instituição e de todos aqueles que para ela trabalham. ao mesmo tempo dá-nos vontade de continuar a lutar pelo bem do associativismo e mostrar que “a inveja de uns é a nossa força”, até porque não são as injúrias aqui proferidas e na famosa “carta” que vão “tirar” a dignidade à direcção e à professora pois segundo aquilo que sei nenhum deles anda na rua de cabeça baixa muito pelo contrário continuam de cabeça erguida. Aliás não foram eles que desapareceram do flor logo após o aparecimento da carta…

      Cumprimentos

      Comentar por BRUNO BENTO — 2009/08/01 @ 20:16 | Responder

    • Sou levada a concordar com o que diz: tristeza de vidas estas! E a parte da inveja também… Há aqueles que não precisam de nada para serem reconhecidos pelo seu trabalho pela cultura mamedense, o Sr. Neves é um deles. Outros têm de se “desunhar” para ter um brilhozinho de ribalta. Querem mostrar algo que não são muitas vezes apenas dando a sensação de uma profunda frustação e inveja. Vejo aqui falar-se de personalidades e de conhecer esta ou aquela pessoa, quando o tempo que estiveram juntos foi escasso. As críticas não são chicotadas ou podem ser, consoante a interpretação. Porquê fazer tempestades em copos de água? Porquê lerem-se coisas que não estão lá, nem sequer nas entrelinhas. Porquê fazer interpretações psicóticas de difamação aqui e difamação ali? Existe muito para aprender sobre dinâmicas de grupo. Não é por acaso que as grandes empresas, clubes desportivos, algumas colectividades… têm à disposição psicólogos de grupo. As pessoas são diferentes, pensam de forma diferente e muitas vezes custa ouvir as opiniões e aceitá-las mesmo não concordando com elas. Já se falou aqui em questões preocupantes ou que não auguram nada de bom. Eu continuo a achar que 4 pessoas terem saído do grupo é preocupante. Significa que o grupo não tem coesão e que a dinâmica está doente. Não interessam as razões em si, o porquê da saída (salvo razões de saúde ou falta de tempo que não foi o caso), o que interessa e conta foi a saída em si mesma. Quando falo de grupos falo com conheciemnto de causa e posso afirmar que quando um elemento tentou sair ou ser expulso pelo gestor de grupo tudo fiz para que tal não acontecesse. A saída de elementos de um grupo pode ser interpretada como uma oportunidade (por aqueles que almejavam o lugar do elemento) mas acreditem não traz nada de bom. Traz instabilidade, traz necessidade de adaptação… Um grupo que sucessivamente se vê confrontado com saídas e mudanças por mais coeso que seja acaba por ser abalado, o rendimento tende a decrescer assim como a qualidade da sua produção.

      Comentar por Angela — 2009/08/01 @ 20:34 | Responder

  28. Sou Glória Santos, esposa de Adolfo Neves. Dada a vossa insistência em me colocarem como participante deste blog (“que a sua mulher ajudou a fazer os fatos, e quando decidiu sair do grupo exigiu a toda a gente a quem ela fez o fatos que lhe desse os mesmos”) passo a exprimir a minha opinião.
    Quanto ao Francisco, não me surpreendeu pois já todos nos habituamos às suas insolências, mas aproveito para o esclarecer num assunto que parece preocupá-lo muito. Os fatos que fiz, não os pedi a ninguém.
    Se assim fosse o elenco ficava semi-nu!
    Apenas trouxe alguns que levei de minha casa e só por serem recordações de família.
    Quando ao Bruno, grande decepção! Pois durante os 3 meses que trabalhamos juntos sempre o admirei como actor e como pessoa pois parecia-me ser um jovem com as ideias bem arrumadas. Afinal enganei-me. Paciência! Só espero que a vida lhe dê a oportunidade de ver a dimensão da injustiça que está a fazer a uma pessoa que não conhece e que durante o pouco tempo que trabalharam juntos sempre o apoiou e incentivou. Se assim for, vai sentir vergonha de algumas coisas que fez quando tinha 21 anos. Penso que quem lhe ensinou o que é a liberdade fê-lo de forma errada e não ensinou que não é assim que se fazem grandes Homens.
    Quanto ao MJ e à maria céu como se escondem atrás dos nicks só uma chamada de atenção: estamos em Portugal no ano de 2009. Lourenço Marques 1963 está muito distante.

    Comentar por Glória Santos — 2009/08/01 @ 19:34 | Responder

    • D. Gloria, sabe que sem a respeitei e que sempre a tive em consideração. Mas vejamos, à certas coisas que eu não posso concordar. Costumo ver uma serie que dá na RTP1 que aborda o tempo da ditadura. Quando recebi a carta fez-me lembrar um episódio em que distribuíam publicidade contra o governo e então essa distribuição era feita “de uma forma disfarçada” para que ninguém repara-se. Foi exactamente assim que a recebi. Eu não concordo com o facto de o Sr. Adolfo ter andado a distribuir essas cartas a difamar a direcção do flor (em especial o Sr. António Augusto) e a professora Selda que ambos sabemos que deram muito ao flor. Já pra não falar de uma atitude que presenciei por parte do Sr. Adolfo para o Sr. Coelho (membro da direcção) e não fui o único a presenciar.
      D. Gloria como já disse respeito-a imenso mas peço desculpa por não concordar consigo pois já tive épocas na vida menos fáceis e que me ensinaram muito e que me deram consciência daquilo que está certo e errado e se não está certo eu digo que não está doa a quem doer e não tenho qualquer problema em o fazer, aliás é um direito que me assiste (faz parte da liberdade). Não convivi com sigo muito tempo mas parece que me conheceu bem e que lhe dei a entender ter as ideias muito arrumadas. Pois é por isso mesmo se não concordo não concordo, e não mudo os meus ideais. Como sabe dou-me bem com toda gente e olhando para o mundo que me rodeia tenho muito orgulho de com 21 anos ter a consciências das coisas como tenho.

      cumprimentos

      Comentar por BRUNO BENTO — 2009/08/01 @ 20:56 | Responder

  29. Caí do céu sem paraquedas, andei pelas diferentes páginas e fiquei com óptima impressão do blog.
    Cheguei aqui pelo apelo do título da página. Li tudo. De fio a pavio. Gastei muito do meu pouco tempo útil mas fiquei sem conseguir perceber nenhuma verdade a não ser que a pessoa que escreveu a carta se sentiu ultrajada e agora estão-no todos mas nada se clarifica.
    Como não sei quem é a doutora de que falavam fui fazer uma pesquisa no Google a ver se se fazia alguma luz neste imbróglio.
    Descobri que a Drª. Selda Dias Soares está a fazer o doutoramento como é referido por um ou uma comentadora e o tema é:
    “O TEATRO COMO (PRÉ)TEXTO DE DIÁLOGOS: ESCOLA, FAMÍLIA, COMUNIDADE. DINÂMICAS DE INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA”
    Orientadora da tese: Prof. Rosa Nunes.

    Sempre tem algo a ver com o teatro…
    Discussões sem dados, só com convicções não fundamentadas, não levam a parte alguma. Por mim já gastei tempo a mais mas valeu para perceber que com estes comentários não vou perceber nada.
    Acalmem-se todos e sejam racionais.
    Não conheço a dona do blog, mas por Deus, que mal vos fez a pessoa em causa? Nada do que dela li me pareceu ofensivo ou agressivo para com ninguém.
    Passem bem.

    Comentar por Manuel Vasquez — 2009/08/01 @ 19:46 | Responder

  30. Palavras sábias e ajuizadas. E porque a conversa já vai longa deixo à reflexão um poema do grande Torga que espero sirva de inspiração para todos os leitores deste blog…

    Sísifo

    Recomeça…
    Se puderes,
    Sem angústia e sem pressa.
    E os passos que deres,
    Nesse caminho duro
    Do futuro,
    Dá-os em liberdade.
    Enquanto não alcances
    Não descanses.
    De nenhum fruto queiras só metade.

    E, nunca saciado,
    Vai colhendo
    Ilusões sucessivas no pomar
    E vendo
    Acordado,
    O logro da aventura.
    És homem, não te esqueças!
    Só é tua a loucura
    Onde, com lucidez, te reconheças.


    Acho o poema lindo e inspirador…

    Comentar por Angela — 2009/08/01 @ 20:39 | Responder

  31. Oh meu Deus, sinceramente deviam ter vergonha na cara por estarem a afirmar que o Sr. Adolfo Neves é realmente a “vítima da zona” tendo em conta que as pessoas que o fazem nem sequer sabem das duas versões : a da professora Selda e a do simpático Sr. Adolfo Neves.
    Por favor, isto é vergonhoso!
    E agradecia que a Senhora Dona Angela nao viesse cheia de ironias que realmente não lhe ficam nada bem tendo em conta que já não deve ser criança nenhuma para brincar com estas situações e achar que realmente tem piada.

    Comentar por Ana Morgado — 2009/08/04 @ 12:41 | Responder

    • Em primeiro lugar gostava que respeitasse a religião católica. Se não é católica devia pelo menos respeitar a religião dos outros e não nomear o nome de Deus em vão. Não sei quem, mas fique a saber que sei das duas versões oficiais: direcção e sr. Neves. Fale apenas do que sabe. Porque é assim que eu faço. Ironia é um recurso de estilo que pode ser usado na linguagem. Não gosta, não leia, não é obrigada a nada. Deixem é de se armar em coitadinhos e defensores das causas perdidas, porque isso sim fica-vos mal. Passe bem.

      Comentar por Angela — 2009/08/04 @ 16:09 | Responder

  32. Antigamente havia a censura isso,isso no tempo da Ditadura e do fascismo mas agora………
    “Inventaram a provedora dos blogs”

    Tudo que tem sido dito pelos visitantes deste blog a favor da Drª Selda do Sr. António Augusto ou mesmo da grande instituição que é o Flor tem logo a resposta de uma tal Angela que ninguém sabe quem é mas provavelmente não terá muito que fazer, cá para mim não passa de uma grande frustrada que mesmo tendo um curso, tirado sabe-se lá como, certamente não tem filhos e não sabe o que é vê-los serem fotografados constantemente sem saber o destino dessas fotos e diga lá o que disser a lei.
    Em relação ao assunto do blog resta-me dizer que conheço a SrªDrª Selda desde que esta veio para a nossa Cidade e tem sido uma excelente Encenadora e Professora inserindo-se prefeitamente no espírito Mamedense. Quanto ao Sr. António Augusto, considero-o um homem responsável e respeitável das melhores personagens da nossa Terra; já o mesmo não poderei dizer do Sr. Adolfo das Neves porque é mentiroso e o ponto 1º da sua carta é prova disso,a atitude do mesmo foi inqualificável, pois o grupo não merecia tal difamação e injúria roçando até os requintes da malvadez por parte desse das Neves.

    Á Provedora do blog
    Faça lá as correcções e desabafe se isso lhe der “prazer”.

    Comentar por Manuel Morgado — 2009/08/04 @ 13:37 | Responder

    • Ninguém sabe quem sou??? Se calhar até sabem… LOL Como se a sua opinião de coitadinho me abalasse. Sou tudo aquilo que o Sr. nunca foi nem nunca vai ver os seus filhos ser. Frustrada? Lol Se assim quer acreditar para se sentir melhor… A inveja é algo ruim. Mas custa ouvir as verdades não é?? E ver que há pessoas que não vivem no marasmo das vossas vidas. Lutem, sejam melhores por vocês e pelos vossos filhos. Não invejo ninguém e por isso esse tipo de comentários só servem para vos rebaixar. Complexos de inferioridade manifestam-se assim. Não preciso de dar provas de onde tirei o curso. É reconhecido. Fi-lo com trabalho e dedicação.
      “não tem filhos e não sabe o que é vê-los serem fotografados constantemente sem saber o destino dessas fotos” se tem alguma coisa contra a lei deve dirigir as suas reclamações ao Parlamento ou provedores da Justiça… Efectivamente eu não sou nenhuma das duas.
      E não venha com demagogias, é infantil e ridículo porque durante muito tempo ninguém reclamou as fotos do sr. Neves. Aliás só o fizeram por uma questão de vingança pela sua saída do grupo. Pois até aí era só agradecimentos como eu vi num espectáculo na Casa do Flor. Meus caros é pura demagogia são atitudes vingativas de pessoas com distúrbios de personalidade graves (pois mudam de ideias como muda o tempo), que dizem conhecer as duas versões e não conhecem (pois não falaram com o Sr. Neves), invejosas (pois querem amesquinhar alguém que sempre deu muito pela colectividade e já participava na vida associativa dela quando muitos de vós, que se dizem sócios, ainda nem sequer eram nascidos), querem menosprezar e tentar atingir alguém que não precisa dos vossos elogios de almas medíocres para nada (recentemente foi reconhecido na quinzenacultural pelo seu trabalho e dedicação e já recebeu imensos louvores de pessoas idóneas da sociedade mamedense). Queria lembrar que o Sr. Neves foi convidado para integrar a direcção desta colectividade, foi a votos e foi eleito. Há qualquer coisa que não bate certo. Mais… não é por se esconderem atrás de um nome ou de um nickname que não podem ser identificados e os crimes por calúnia através da internet também são puníveis em tribunais. Por isso atenção ao que dizem e como o dizem.Fica o aviso em tom de conselho.
      “NA VIDA, NO TRABALHO E NO AMOR, NADA É DURADOURO E ETERNO; DE UM MOMENTO PARA O OUTRO TUDO SE PODE QUEBRAR EM MIL PEDAÇOS, COMO UM BONITO E FRÁGIL BISCUIT.”
      Espero que perceba o significado dessa frase.

      Comentar por Angela — 2009/08/04 @ 16:41 | Responder

  33. Ok minha senhora, como queira, “LOL”, só me limitei a contar o que sei dos factos, pois sou pai coisa que a senhora nao deve ser e assisti a vários ensaios e peças e não estou ausente do que se passa no Flor, coisa que alguns não podem dizer e talvez seja o seu caso. Pena é que venha insultar ou insinuar algo sobre quem se limita a comentar o blog. A mim move-me o facto de a minha filha pertencer ao grupo e ter uma boa relação com os dirigentes e outros membros. A si não sei o que a move para estar a atacar quem faz os seus comentários, talvez um protagonismo que nunca teve, quanto mais coragem para dar a cara e assumir quem é verdadeiramente. Será que é uma dessas Dras. que subiu na vida á custa de cunhas e compadrios e por esse motivo julga estar envolta numa redoma que ninguem lhe toca e pode vir assim para a praça pública denegrir a imagem de três personalidades de São Mamede de Infesta em nome da pseudo liberdade que tenta apreguar. é lamentável que dona do blog a deixe tecer certos tipos de comentários injuriosos ou será que também é uma das suas amizades e aí a sua redoma de vidro volta a funcionar novamente e então temos novamente a dita ditadura “ou és por mim, ou és contra mim”. Lamentavelmente não é o Sr. Adolfo Neves já que está em questão mas sim a liberdade de todos os mamedenses que se vêem providos da liberdade quando não podem expressar o seu apoio a pessoas sérias e credivéis, passando a ser alvo de alguém que com as suas habilidades engenhosas deturpam tudo o quanto é dito passando assim para a ofensiva pessoal. A ver vamos se a coisa fica por aqui, pois ao que eu sei o Sr. Neves está a ter um processo disciplinar por parte do Flor e vamos ver como as coisas ficam e de que lado está a razão.

    atenciosamente, saudações cordeais e beijinhos para a família (se a tiver) .

    Comentar por Manuel Morgado — 2009/08/04 @ 20:58 | Responder

  34. Ao que eu sei a Prof. Selda Soares iniciou a feira medieval há 3 anos atrás, tive algum contacto com ela e pareceu-me ser uma pessoa bastante responsável , idónia e com uma formação que em nada faz prever todas as acusações que lhe fazem. Cheguei a assistir a peças no Flor de Infesta , peças essas bastante interessantes e ao que eu sei estavam á sua responsabilidade.
    Não acredito que tenha havido por parte desta qualquer atitude que seja contra a liberdade ou contra quem quer que seja, pois ela não é uma pessoa assim, mas uma pessoa afável, divertida, respeitável e muito querida entre os seus alunos quer no Flor, quer na escola. Deixem-se de insinuações caluniosas sobre a senhora que tem dado muito de si a toda a comunidade mamedense.
    Cumprimentos.

    Comentar por Eduarda Reis — 2009/08/04 @ 21:13 | Responder

  35. Como mamedense que sou, tenho acompanhado todo o bom trabalho feito pela Professora Selda Soares, inclusivé o seu trabalho no Flor de Infesta.
    O Flor é uma instituição credível e o seu presidente também, eram por isso estes incapazes de usar das atitudes referidas na carta. Ao ler e analisar todos os comentários ao blog constatei que isto já vai longe e ja é mais um lavar de roupa suja , pelo menos por parte de uma tal Angela que insulta toda a gente e só ela é que é boa e sabe de tudo; é pena a senhora só ter coragem para escrever sobre os outros como se nao tivesse telhados de vidro ! Um bocadinho de humildade não lhe ficava nada mal.

    Saudações a todos os bloggers.

    Comentar por Candida — 2009/08/04 @ 21:20 | Responder

  36. Bruno, antes de mais quero esclarecer um assunto: nós não desaparecemos do Flor. Estamos, como todos os anos, ausentes de São Mamede de Infesta nesta época do ano. Em breve, voltamos à nossa terra e também de cabeça erguida. Estivemos aí no Flor no dia 11 de julho no lançamento de mais um livro de Conceição Paulino. No dia seguinte, como tínhamos sido convidados, estivemos na Junta de Freguesia, nas comemorações do dia da Cidade e no lançamento do livro do nosso ilustre cidadão Senhor Durval. No dia 28 de Julho de 2009 estivemos aí no Flor numa reunião que a direcção tinha convocado, sabendo a mesma que nós estávamos ausentes e para que não tivessem pretextos, nós estivemos presentes, tendo percorrido mais de 300 kms, tendo gasto muito dinheiro. E, finalmente, no dia 2 de Agosto, porque fomos convidados para o grande festival de folclor de Portugal que teve lugar na Praça da Cidadania onde o meu marido foi agraciado com uma medalha de reconhecimento pelo trabalho em prol da comunidade.
    Ainda bem que vês o “Conta-me como Foi”. Talvez possas avaliar o que o Sr Adolfo e tantos e tantas outras pessoas sofreram as maiores torturas e morreram nas prisões para que hoje haja DEMOCRACIA e LIBERDADE.
    Quantas lutas de estudantes ele enfrentou para hoje termos Universidades livres e participativas na construção do nosso país. Quantas vezes foi preso e torturado para que hoje os trabalhadores tenham direitos consignados nas leis do trabalho e todas as pessoas possam votar livremente sem ter os Pides a fiscalizar os actos eleitorais.
    Portanto quando quiseres acusar alguém de falta de DEMOCRACIA ou atentados à LIBERDADE não escolhas o Sr Adolfo como alvo porque isso fere e magoa muito a todos os resistentes que lutaram ao seu lado.
    Olha à tua volta… talvez encontres o alvo certo, mas cuidado não te deixes enganar não comas “gato por lebre”. E, a propósito, envio-te uma quadra do saudoso ZECA AFONSO, grande lutador contra o fascismo:

    A toda a parte chegam os vampiros
    Poisam nos prédios poisam nas calçadas
    Trazem no ventre despojos antigos
    Mas nada os prende às vidas acabadas

    Comentar por Glória Santos — 2009/08/04 @ 23:20 | Responder

    • correcção : “no lançamento do livro do nosso ilustre cidadão Senhor Durval.” Deveria ler-se , “no lançamento do livro “Á descoberta de S.Mamede de Infesta” patrocinado pela Junta de Freguesia e Camara Municipal de Matosinhos de onde o Senhor Durval recebeu uma boa maquia para o fazer.”

      Comentar por Candida — 2009/08/05 @ 19:21 | Responder

  37. A “Sagrada Família”
    (pai, filhos, a pombinha e o cão de guarda)
    Devidamente entre aspas, para não ser conotado com outra dimensão das coisas. Devidamente enquadrada quando não há mais ninguém para chamar em defesa do pai. Vejamos: o Senhor Neves é pai de dois filhos (Ricardo e Angela) e marido de uma senhora que também assinou neste blog (Glória). A senhora Angela guarda este blog como se fosse seu: a cada comentário a senhora Angela dispara em todas as direcções, sem pinga de educação nenhuma. Vê-se ao espelho e zás, diz aos outros o que está a ver. Que vida a sua senhora Angela! Podia dedicar-se à costura, por exemplo.
    O senhor Ricardo fica ofendido porque acha que o senhor Adolfo é um ser humano que merece respeito. Muito bem! Então e os outros que aqui são difamados, são o quê? Contudo, honra seja feita ao senhor Ricardo que salta em defesa do pai mas não é malcriado, felizmente. Quanto à sua irmã Angela já ninguém diz o mesmo. Faltou-lhe o chá, minha senhora.
    A dona Glória, claro que costurou para o grupo e muito lhe foi agradecido. Mas já não se deve recordar de um dia ter pedido por favor à tal professora que nunca se fosse embora dali, que o seu trabalho era muito importante e tal e coisa. Então em que ficamos?
    A pombinha (com todo o respeito) a quem pertence o blog, chegou um dia, largou o raminho da paz, mas foi-se, porque um cão de guarda marcou este território como seu.
    Os restantes são uns comentadores que não conhecem ninguém de quem se fala, mas por solidariedade, o que fica sempre bem, disseram umas coisas e foram-se de vez. E depois há umas ovelhas ranhosas (como eu) que de vez em quando chegam para tentar repor a verdade, mas o cão de guarda não deixa.
    E fica completo o presépio. Entendem agora o que aqui vai?
    E como ovelha ranhosa deixem-me dizer ainda o seguinte: há cães que ladram, outros que fazem habilidades, os cães que urinam os blogs alheios e há-os que também lêem poesia, para citar quando não há mais nada para dizer, mas não percebem nada. “Tadinho” do Torga.
    Correcção: “LOL”????? Ai que lhe fica tão mal isto! Ai, ai!

    Comentar por MJ — 2009/08/04 @ 23:35 | Responder

  38. 1º – D. Ana Morgado – eliminei o seu comentário por ter ditos que na minha formação são considerados obscenos e impróprios.
    É o 2º que elimino.
    Só o segundo quando deveria ter eliminado muitos mais, mas como sou democrata e lá diz o ditado “quem anda à chuva molha-se…” deixei correr, crente de que lidava com pessoas civilizadas.
    Ledo engano.
    ……………….
    2º- M.J – homem ou mulher que se esconde atrás das iniciais? afinal a maior incógnita deste mau trecho de teatro aqui escrito ao sabor da bílis de alguns – fala da falta de chá da comentadora Ângela – e a sua?

    Não a enxerga? Não SE enxerga?
    …………….
    Se tem o entendimento de que há coisas ofensivas as que usa não o são! Claro!(Ditas por si…)
    Ou demasiado escuro!
    ……………
    Usa uma provocação primária para comigo através de uma quadratura do círculo – de muito mau gosto – aliás como prima especialmente neste comentário ordinário e como a pessoa que se assina como M.J TEM AS COSTAS QUENTES eu publico os seus desarrazoados.
    ……………
    Considera-se o quê? Uma rapina? Um abutre?
    Pois acertou! Prefiro ser pomba e não me misturar com determinados espécimens.
    ………….
    Pessoas como esta, de quem nada sei quem, não sei quem é, e creio que de mim não sabe mesmo nada, mas…nunca se sabe dado que nem o nome assina… andam com o fígado, melhor, a bílis a sair pelos poros.
    ………….
    O QUE LHE VALE, M.J. É QUE TEM AS COSTAS QUENTES.
    Tanto como as da pessoa que assina o nome: Ângela.

    A proprietária do blog.
    Conceição Paulino

    P.S – AOS DESATENTOS E DESATENTAS – todos vocês têm tido as “costas quentes” pois a propietária do blog, eu, tenho publicado todo os comentários excepto 2 como referi.

    Comentar por Conceição Paulino — 2009/08/05 @ 18:17 | Responder

  39. Exmº Sr. (a) MJ
    Em primeiro lugar quero agradecer-lhe pelo facto de não me ter insultado de qualquer forma como já o (a) vi fazer por aqui. Este agradecimento também deve ser seu porque garanto-lhe que se tal acontecer seja de que origem for o comentário irei até às últimas consequências para que a pessoa em causa seja punida conforme a lei prevê.

    Em segundo lugar: não defendo o meu pai, até porque ele sabe defender-se perfeitamente, como o fez durante anos e anos de todos os “vampiros” que por aí andam.
    Eu apenas defendo o que considero justo, tal como o meu pai me ensinou. Lamento imenso que o conceito de justo não seja igual para todos.

    Ás pessoas que dizem que conhecem a história toda, não conhecem. Primeiro porque apenas leram (presumo eu) a carta aberta escrita ao Flor mas nunca se deram ao trabalho de falar com a pessoa que a escreveu para conhecer realmente o que se passou.

    Aconselho vivamente a que quem não sabe que não fale, pois daqui em diante irei identificar todas e quaisquer pessoas que atentenm à minha pessoa ou ao meu bom nome assim como das pessoas que me são próximas.

    Considero toda esta situação completamente absurda, apenas e só por se tratar de uma vingança (que é o único termo que encontro para algo tão baixo que apenas serve para denegrir a pessoa em causa).

    Ao longo de todo este tempo fui reunindo uma quantidade de FACTOS e identidades de pessoas que de uma forma ou de outra contribuiram para esta situação.

    Informei-me, consultei e finalmente decidi em defender-me e aos meus próximos, conforme prevê a legislação Portuguesa, que aqui tanto vi ser ignorada.
    Este facto deve-se essencialmente à dimensão que alguns autores dos comentários aqui presentes fizeram questão que atingisse.

    Mais uma vez: eu baseio-me em factos e não em histórias ou no “disseram que disse”.

    A identificação dos referidos autores já foi iniciada e certamente iremos encontrar-nos brevemente.
    Contudo relembro o meu convite para estar com quem quer que seja caso queiram denegrir a mim, a minha família ou as boas acções que praticamos.

    E Sr.(a) MJ, achei de muito mau gosto vir para aqui falar em família e graus de parentesco que não são de interesse público nem tão pouco lhe reconheço qualquer tipo de autoridade ou legalidade para o fazer.

    Comentar por Ricardo — 2009/08/05 @ 20:53 | Responder

  40. MJ = Manuel João Henriques
    Águas Santas
    Funcionário Administrativo

    O senhor Adolfo Neves tem um processo disciplinar no Flor!!!!!
    Pasme-se: o comportamento do senhor fotógrafo dá num processo disciplinar.
    E ainda discutem por aqui a inocência do senhor Adolfo Neves.
    Bobi, onde estás??
    Bobi?
    Ão, ão!

    Comentar por MJ — 2009/08/05 @ 22:55 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: